Sistemas energéticos

Sistemas energéticos - de forma a dispor de energia em qualquer momento e de acordo com as necessidades, a célula possui um conjunto de três mecanismos diferentes para a produzir.

ATP/CP - Sistema anaeróbio aláctico

sistemas energeticos-ATP-treino velocidade-treino força


- O sistema ATP-CP é o principal sistema energético para esforços máximos com uma duração até 30”

- Fontes energéticas imediatas

- Fosfagénios

Glicólise - sistema anaeróbio láctico

sistemas energeticos-glicolise-treino velocidade-treino força

- A glicólise é o principal sistema energético para esforços de intensidade elevada com uma duração entre 30” e 1’00”

- Fontes energéticas não oxidativas

- Fontes energéticas glicolíticas

Oxidação - sistema aeróbio

sistemas energeticos-aerobio-treino resistencia


- A oxidação é o principal sistema energético para esforços de intensidade média e baixa com uma duração superior a 1’00”

Alguns pontos relevantes a ter em consideração:

Contributo dos vários sistemas energéticos em função da duração do exercício

sistemas energeticos-intensidade exercicio-intensidade treino-vo2 max


Potência e capacidade dos vários sistemas energéticos

- Factor limitativo

CP - Rápido esgotamento das reservas

Glicólise - Acumulação de ácido láctico

Oxidação - Capacidade transporte de oxigénio

Estimativa da energia disponível nos principais reservatórios

Glicogénio muscular – 2.000 kcal

Glicogénio hepático – 180 kcal

Tecido adiposo – 141.000 kcal

Proteínas corporais – 24.000 kcal

Oxidação dos lípidos e carboidratos em função da intensidade do exercício

sistemas energeticos-oxidaçao lipidos-intensidade treino


Contributo relativo dos lípidos e hidratos de carbono em função da intensidade do exercício. Pontos importantes:

- A taxa de degradação da CP atinge o seu máximo imediatamente após o início da contracção muscular e começa a declinar após apenas 1.3s (Maughan et al. 1997);

- Por outro lado, a produção de ATP na glicólise só atinge a taxa máxima após 5 segundos e pode ser mantida a esse nível durante vários segundos (Maughan et al. 1997);

- As concentrações de repouso de ATP e CP no músculo esquelético são de aproximadamente 25 e 70-80mmol/Kg de massa magra (Spriet 1995, Maughan 1997) e não parecem ser significativamente afectadas pelo nível de treino do sujeito (Saltin e Gollnick 1983);

- A deplecção total de ATP não ocorre mesmo em condições de exercício extremas, apesar de terem sido descritas diminuições do ATP muscular de 30-40% (Bangsbo et al. 1990, Jacobs et al. 1982);

- Em contraste, é possível verificar-se uma deplecção quase completa das reservas de CP (Hultman et al. 1990, Bogdanis et al. 1995);

- A energia derivada das reservas de ATP e CP, considerada a componente aláctica, pode contribuir com 20-30% da energia anaeróbia libertada durante o exercício intenso exaustivo com 2 a 3 minutos de duração (Saltin 1990, Bangsbo et al. 1990);

- O contributo energético do sistema ATP-CP é máximo durante os primeiros 2s de exercício máximo;

- Aproximadamente 75-85% do declíneo da CP ocorre nos primeiros 10 segundos;

- Ocorre muito pouca ressíntese do ATP a partir da CP após 20s de exercício de intensidade máxima;

- Durante o exercício máximo, a taxa da glicólise pode ser incrementada até 100 vezes relativamente ao valor de repouso (Newsholme e Start 1973), embora esta taxa não possa ser mantida;

- A duração do exercício de intensidade máxima em que o contributo dos sistemas energéticos aeróbios e anaeróbios é semelhante parece situar-se entre 1 e 2minutos, mais provavelmente em torno dos 75 segundos;

- A visão tradicional de que o sistema energético aeróbio desempenha um papel insignificante durante o exercício de alta intensidade precisa de uma reformulação urgente. Com efeito os processos aeróbios contribuem de forma significativa para a produção de energia mesmo em esforços máximos tão curtos como 30 segundos;

- É actualmente evidente que os 3 sistemas energéticos contribuem para a produção de energia durante o sprint, isto mesmo durante sprints curtos de 6 segundos (Gastin 2001);

- Durante 10 sprints de 6s observou-se um declíneo de 27% na potência (entre o 1º e o 10º sprint). No entanto, foi registado um declíneo de 64% na utilização de ATP anaeróbio devido à inibição quase completa da glicólise até ao 10º sprint (Gaitanos et al.1993.). Deste modo, foi reconhecido que o metabolismo aeróbio pode dar um contributo energético significativo mesmo durante os sprints (Nevill et al. 1996).

Artigos relacionados

Queimar Gordura com mais eficiência

Zona Queima Gordura NOVO


Mais artigos de Exercício Físico


Regressar de Sistemas energeticos para início de Guia-Fitness



Custom Search

Solo Build It! CTPM Process